segunda-feira, 28 de março de 2011

我々は世界です (金持ち、少なくとも)


Eu sei. Eu também fiquei chocado com as imagens do terremoto + tsunami no Japão. Eu também fiquei impressionado com as imagens de satélite das regiões mais afetadas, do tipo "Antes e Depois", mostradas no site do TheGuardian. Eu também fiquei com o coração partido com as imagens das criancinhas japonesas afetadas por toda a inacreditável desgraça da ameaça de meltdown em Fukushima. (Juro que eu sou das pessoas que mais detestam crianças, meu instinto paternal é simplesmente inexistente e sou felicíssimo por ser gay por não correr o risco de ter esse subproduto das relações sexuais chamado filho... mas imagem de criancinha asiática me desmonta. Dá vontade de apertar até dizer chega, dar um Tamagochi e mandar ela ir brincar com os amiguinhos no parquinho. Fofo demais, néam?).

Mas... "Campanha para auxiliar as vítimas do terremoto no Japão"? Mega concerto para arrecadação de fundos para as vítimas do tsunami? Afeganistão doando US$50 mil dólares, Sri Lanka doando US$2 mi + equipamentos de resgate e medicamentos para o Japão?

Alguns pensamentos (cruéis, é claro) vem a minha mente agora:

1) Japão é a terceira maior economia mundial: Sério, o Japão é uma economia tão chique, tão desenvolvida, tão rykah que eles se dão direito de ter deflação, honey. Não sabe o que é deflação? Pausa no texto para você, pessoa moderna e incluída digitalmente jogar a palavra no Wikipedia É quando o preço dos produtos cai porque simplesmente não existe demanda suficiente para atender a oferta (entre outros motivos, claro, mas eu estou dramatizando a teoria econômica para efeitos textuais :D). Em outras palavras, o povinho de olho puxado comprou tanto Toyota, tanta Louis Vuitton e tanto celular Sony que não tem mais o que comprar. (Enquanto você aí ferrado em 17x com muitos juros para comprar aquela mesinha da Tok&Stok feita de madeira compensada...)

2) Japão é o maior welfare state que equilibra qualidade x população atendida: Por que vamos combinar que fornecer hospital, escola, transporte público eficiente, tratamento psicológico (por que desenvolvimento e falta de problema real equals distúrbios psicológicos), moradia decente e estímulos financeiros para as pessoas procriarem para uma população de 9 milhões de pessoas altas, magras, loiras, lindas e suicidas é muito fácil. Outra é você estender esses benefícios para 130 milhões de pessoas.

3) Japoneses são os turistas que mais gastam ao redor do mundo: Todo mundo que já visitou as grandes capitais do mundo sabe – dá muito ódio e inveja ver turista japonês. Eles sempre andam em bando. Mas é um bando diferente dos outros grupos de turistas asiáticos. Nada de casaquinho “Vou pro Pólo Norte” de novo rico chinês. É trenchcoat Burberry, é bolsa Ferragamo, é sapatinho Prada - e tudo isso com aquela pele de porcelana impecável devidamente hidratada com produtos Shiseido. E não é só um: são MUITOS. Todos juntos. Saindo felizes e contentes carregando sacolas e sacolas da Louis Vuitton. Justamente enquanto você sai da H&M carregando uma sacolinha e decide se vai comer no Mac Donalds ou um Döner Kebab na esquina. Mundo injusto. Mundo muito injusto.
P.S.- Fiquei sabendo por um amigo francês uma história de que as lojas da Louis Vuitton em Paris simplesmente recusam-se a vender mais do que duas bolsas da marca para qualquer turista japonês. Segundo ele, mesmo indo de contra às 2542 leis antidiscriminação existentes na França, a Louis Vuitton faz isso como uma tentativa de proteger as filiais japonesas da marca, que em média cobram um preço mais alto pelas bolsas do que as filiais francesas. O que os japoneses fizeram? Já é absolutamente normal para os parisienses serem parados na Champs Elysees por japoneses ensandecidos com centenas de euros nas mãos e implorando para que eles entrem e comprem uma bolsa para eles! (Claro: França não é Escandinávia, e a polícia parisiense já atendeu não-sei-quantos-casos de turistas japoneses que perderam sua grana depois de pararem um estranho na rua e o estranho simplesmente desaparecer com o dinheiro deles.)

4) Japão é um dos principais mercados de luxo do mundo: Senão for o principal mercado de luxo do mundo. Claro, por motivos de status, as grandes maisons tem que filiais em Paris, Londres, Nova York, Milão... (E claro, na Oscar Freire e Garcia D'Ávila, néam? :D) Mas o principal mercado, considerado o mais estratégico para o sucesso ou derrocada de uma marca, seguramente é o japonês. E do tipo, não é só abrir uma flagship store na Omotesandō em Tóquio e acabou - tem que ser um prédio fodástico, assinado pelo baladérrimo escritório de arquitetura Fulaninho&DeSicranon, painéis de vidro que reclinam conforme o momento zen budista do universo e luzes em LED em toda a fachada emitindo a mensagem “Rykeza, Rykeza”. Afinal, toda aquela história de 'cerimônia do chá' (coloca aguinha no copinho com mãozinha em posição de 'lótus-reverenciando-a-cegonha-desafiadora', deixa descansar por 15 minutos – nos quais você deve ficar absolutamente imóvel sentadinho naquela posição de gueixa em cima daquele tatame duro – reverencia a cegonha-desafiadora de novo, dá um micro golinho e coloco o copinho de volta na bandejinha) reflete o apreço nipônico pela “whole experience”, e para eles comprar um produto de grife é mais do que um mero ato de compra, mas todo um processo simbólico de representação do status ocidental.

Será que realmente o Japão precisa tanto de ajuda assim, hein? Sofrimento humano é imensurável e sempre impossível de ser comparado, sempre tem que despertar o espírito de solidariedade que temos na gente... mas sejamos um pouco mais pragmáticos, não é?

Só para terminar: alguém aí sabe o que foi feito do Haiti, hein?

6 comentários:

Lucas T. disse...

Melhor post do ano by far hahahahahhha! Resumiu em palavras td que eu penso cada vez que
alguém divulga canais de doação para o Japão mas nunca tive coragem de dizer. Ri demais.

A questão é que o ser-humano precisa se sentir bem. Dá umas moedas pro pedinte e alguns dólares pros japoneses e segue sendo pau no cu no dia-a-dia sem remorso.

Marry Montylah disse...

"Tamagochi ","painel de led piscando rykeza rykeza!!" frouxos de riso!!!
duvida o q quer dizer o titulo?
seus posts são tããããããããooooo bons!!!
mas poderiam ser mais frequentes.tsá????

dudufs disse...

P*ha Fernando,
Vc é foda, por isso não consigo deixar de ler o que vc escreve.

Daniel disse...

hahaha. Rialto com a risada da Paola aqui.

Eu também não to levando nada a sério esses Japan Reliefs por aí. Deixa que eles já se viraram bem mais rápido do que a gente. Viu a estrada que eles reconstruíram em 6 dias? Aqui os desabrigados das chuvas de abril do ANO PASSADO ainda estão fazendo protesto por aluguel social em Niterói.

Haiti? E a África que nem desastre natural teve e viverá eternamente esquecida na merda?

Red disse...

meu como eu amo seus posts :D
tendo duzias de amigos, parentes de amigos e pessoas importantes para mim morando lá, esses desastres me deixaram extremamente preocupado :/
e eu vou pra Tokyo ano que vem, Akihabara PRECISA estar em pé e em perfeito funcionamento! *egoísmo*
(acho q sou mais nerd do que gay por me preocupar mais com Akiba do que com Harajuku e Ginza)

Thiago Lasco (Introspective) disse...

luzes em LED em toda a fachada emitindo a mensagem “Rykeza, Rykeza”. HAHAHAHAHAHA