terça-feira, 1 de março de 2011

Dia difícil?

Não dormiu direito devido ao calor absurdo que faz na sua cidade?

Não dormiu direito devido ao calor absurdo que faz na sua cidade potencializado pelo calor absurdo que faz no seu micro-quarto de empregada no Catete/Flamengo (Praia do Flamengo é a rua, mas tamos do lado do Palácio de Catete – portanto mandar Flamengo é bem wannabe, néam?)?

Levou um “samba muleque” do cliente ao telefone hoje?

Levou dois “samba muleque” do cliente ao telefone hoje, quando 1) você estava super certo e 2) sua chefe mandou a clássica “O cliente sempre tem razão”?

Sua amiga do trabalho “suquinho-de-coco-com-maracujá”, não satisfeita de implicar com o seu momento de relax chamado Dunhill, resolveu bancar a eficiente-businesswoman-too-important-to-talk-with-me?

Ficou o dia inteiro enforcado num terno quente pra caralho tendo que fazer a phyna?

Bate aqui e segue a receita de destressar:

- Siga para o supermercado mais próximo (de preferência, algo bem low-cost tipo Redeconomia ou Princesa – afinal, high low nunca sai fora de moda) e compre o arroz branco mais decente que você encontrar, queijo parmesão (pode ser aquele pozinho sintético e amarelo que eles chamam localmente de “queijo ralado” por aqui mesmo) e caixinha de caldo de carne Knorr.

- Toma um banho e escova o dente (porque tomar banho e escovar um dente dá um upgrade em qualquer criatura humana na face da terra).

- Faça a sua melhor receita privada, que no meu caso é Risotto d'Ouef alla Frommagio di Parma (1) francês e italiano é União Europeia, é multiculturalismo, é super in; 2) receita ultra-complexa que consta de basicamente quebrar um ovo no final do cozimento do seu arroz Tio-João, jogar um queijo ralado por cima – afinal, o ovo vai dar uma liga absurda, vai super pegar o gosto de queijo ralado e vai super parecer que você jogou toneladas de queijo para fazer esse singelo prato).

- Abra a garrafa do melhor vinho que você conseguiu encontrar - que no meu caso se resume a um Pinot Noir “Domaine de L'Abbaye” que o BF français deixou na sua última passagem pela região (mas um chileno ou um argentino super cumprem bem a missão... agora, lembre-se: Brasil faz bem cachaça, samba e carnaval – vinho, NUNCA!).

- Agora a parte difícil: tomar vinho em copo de requeijão não rola, néam? Dá um “See you later” para o escorpião que habita o seu bolso, toma um drink a menos na The Week e compra uma taça de vinho legal na liquidação da loja chiquinha mais perto de você ( no meu caso: taça de cristal tcheco da Boêmia por míseros R$19,90. Suspeito que mão-de-obra escrava ucraniana foi utilizada nesse processo de produção, porque essa porra tava barata de mais e a taça faz o característico barulhinho de tlim-tlim que vidro não faz).

- Leva o prato para o quarto, enche a garrafa, dá um Oi para o vizinho tarado que eventualmente pode estar te olhando pela janela e tira a roupa. (Tem que ter alguma vantagem de estar no teu quarto de empregada e não num bom restaurante da sua cidade, néam?)

- Liga no Youtube e coloca “The Look of Love” (mas na versão da Dusty Springfield, poxa!) - a música mais “Phyna Feelings” ever. Até boteco da beira de estrada na Avenida Brasil ficaria chique tocando essa música.

- Delicie-se com o seu prato.

- Termine a refeição com um delicioso Wafer da Limão da Piraquê (1) high low again e 2) RÁ que você vai ter paciência suficiente para me fazer um suflê de chocolate ou creme brulee nessa altura do dia).

- Depois de tudo terminado, toma os últimos goles da sua taça de vinho acendendo um maravilhoso Dunhill. (E foda-se câncer no pulmão, derrame cerebral e 'fumar aumenta as possibilidades da má-formação fetal – morre muita mais gente de stress, não é? Então?).

- Registre tudo isso por escrito. (:D)

- Siga sua para sua caminha, refrescado e relaxado. E durma uma ótima noite de sono...

10 comentários:

Daniel disse...

Eike fossa, mas está anotada a receita.

Lobo disse...

Na falta de habilidades culinárias, nesses dias me jogo em um biscoito bem sujeira, tipo Gula ou Fofura...

Gui disse...

10 passos para o paraíso.

Alex Bez disse...

ôôô seu ingrato!
cadê o post sobre o final de semana em SP?

e essa receita hein??? rsrsr
parece coisa de estudante, que junta tudo e manda pra dentro (oi?)

posso ficar somente com o vinho?

bjs e ótimo carnaval.

Fernando disse...

@Daniel: Fossa é diferente de estresse. No caso de fossa, eu recorro para um bom Doritos + Fanta Uva e fico ouvindo música deprê. Quando eu estou estressado, eu fico parecendo um crossover do coelhinho da Duracell com Stalin.

@Lobo: Amigo, eu consegui upgradear minhas habilidades culinárias do Nível Miojo para o Nível Arroz Soltinho em menos de 4 meses. Se eu consigo, você consegue também.

@Gui: Paraíso se chamaria restaurante de comida indiana, o que inexiste no Rio (sim, eu conheço o Raj Mahal - e é uma merda)

@Alex: Le BF resolveu está se mudando, não conseguiu postar as fotos num Picasa da vida, por consequencia eu não consigo pegar as fotos para fazer o post. Mas ta vindo, ok?

E a receita de estudante é miojo com complementos. :D Sério, testa a receita: fica bom pra carajo!

Papai Urso do Interior disse...

Existem n-versões, n-intérpretes, mas nenhuma é tão intimista e suprema como a de Dusty Springfield, escuto sempre depois daqueeele banho demorado, jogado às traças com um pote de mel nas mãos... hummm...

Thiago Lasco (Introspective) disse...

Gente, seu toque de Midas nesse momento ingrato, insosso e inglório foi fascinante! É o que eu sempre digo: se Deus te deu limões... bora fazer malabarismo no semáforo mais próximo! ;)

casa do PADÊiro disse...

Cuidado ao falar de vinho brasileiro, nosso clima e solo fertil esta dando um baile nos vinhos hermanos, palavra de um enófilo! Claro que ainda estamos engatinhando, prova disso, que num concurso às cegas, foi eleito um brasileiro o melhor merlot do mundo.

Esse Dunhill "maravilhoso" é nosso velho Carlton, nao é o Dunhill ingles, aquele com filtro de seda e caixinhas simpaticas e coloridas que encontramos nas tabacarias chics de Londres, Paris, NY.

Voce é um rapaz culto, viajado e super sensivel, nao pode cometer essas gafes.

Bj, te adoro!

Fernando disse...

@CasodoPadêiro: Please, me indica logo então que merlot é esse, pq sempre que eu provo um vinho nacional tinto vem aquela acidez excessiva na boca nada característica de vinho legal. Até acredito que existam bons vinhos brasileiros, mas cobrando quais preços? Enfin...

Sobre o Dunhill, quem não tem cão caça com Dunhill com gosto de Carlton. :D Na verdade, na verdade, eu curtia muito o Gaulouises Azul mesmo (daqueles fáceis de encontrar) mas sem viagem internacional nos últimos tempos...

Obrigado pelos elogios! :D

Anônimo disse...

Fernando, você morreu?