quinta-feira, 1 de julho de 2010

Páginas da Vida... Ups, Facebook

F e T são dois grandes amigos alemães que eu fiz em Hamburgo. T foi o meu primeiro peguete em terras hamburguesas. Lembro como se fosse hoje: eu chegando para uma mega festa num antigo bunker da Segunda Guerra em Heiligengeistfeld, completamente bêbado (meu melhor amigo alemão tinha o péssimo hábito de imediatamente reabastecer todo e qualquer copo vazio na minha mão. Resultado: em qualquer festa, uma hora depois eu já estava completamente insano). Sabe quando você chega todo trabalhado na vibe Pussycat Dolls num lugar? Eu naquela noite. Olhei para um lado, olhei para o outro, encontrei a vítima: T, lindo, corpo perfeito, parado num lugar escutando a música (somente na Alemanha cara gato fica parado, sozinho em boate sem ninguém chegando). Já cheguei todo no charme Katia Flavia, todo no „Hallo, ich ser Fernando, aus Rio de Janeirrro, Brasilien“ (ja falei: a nossa nacionalidade é um asset em terras européias, que como qualquer asset tem que ser bem gerenciado. Pra que fazer a linha da „piranha-latina-um-pouco-acima-da-linha-da-prostituição“? TAO melhor fazer a linha do „latino-inteligente-E-que-fode-bem“. Resultados garantidos. :D). Resultado: uma hora e meia depois estava na cama daquilo tudo, fazendo aquelas coisas, com aquilo tudo olhando para minha cara com cara de “Nossa, que GATO” (e eu pensando “Quanta merda na Galeria Café eu tive que pegar para chegar a ISSO, hein...”). Saímos mais algumas vezes, eu me envolvi com outros (outros meaning metade de Hamburgo), ele se envolveu com outros, começamos a sair como amigos, rolavam umas recaídas mais esporádicas, e no final de tudo acabamos virando aquele tipo de amigo com quem se tem uma intimidade enorme e um carinho fraternal genuíno.

Já F foi o meu rebound guy depois do FDP germânico. (Rebound guy means aquele cara legal, inteligente, bonitinho, bom de cama com quem você sai logo depois de se fuder em algum grande relacionamento. Você fica com ele um, dois meses, trepa trepa trepa até chegar a conclusão de que você não sente nada mais especial pelo cara. Só que nessa altura o cara inevitavelmente vai completamente louco de amor por você, e você claro, vai ligar o cara perfeito por um outro FDP. Life sucks.) Inteligente, grandão, loirão, jogador de tênis compulsivo. Eu adorava ir pra casa dele: o cara preparava uns mega jantares super fodas (enquanto isso, na minha geladeira na residência estudantil: duas garrafas de vinho tinto macedônio vagabundo, mozzarella di bufala de €0,99 do Aldi, Nutella e água. E cozinhar não é um dos meus dotes. Escolha difícil, hein?), depois a gente ficava tomando vinho (não-macedônio), conversando (ou melhor, eu falava e ele escutava. Rebound guy não tem opinião, não tem vida. Ele vive os seus dilemas. E no final ainda te dá apoio), jogando Nintendo Wii (eu tenho um lado nerd SIM, TÁ?). E no final de tudo ainda tinha ainda a cama dele, GIGANTE, com um edredom fofíssimo. E claro, altas partidas de tênis (gente, tênis faz um BEM pra saúde!). Enfim, acabou que eu enjoei, tava confuso demais pela história do FDP germânico, não tava conseguindo me envolver na história (claro: o cara é legal, bonitinho, trepa bem e... a gente não se apaixona. Tem que ter uma merda no meio pra dar uma emoção na história), resolvi seguir em frente. Acabou que com o tempo acabamos virando amigos também, e ainda hoje a gente sempre se fala.

Enfim, F resolve ver que é esse tal de T no meu Facebook, T tem uma irritante capacidade de sair perfeito em TODAS as fotos (odeio muito gente assim), F fica fascinado por T e resolve adicionar T como amigo. F e T fazem comentários engraçadinhos no meu perfil , depois começam a comentar no perfil um do outro, até que resolvem “tomar um café juntos para se conhecer” (gente, mais Hamburgo que isso impossível). Aí que eu agora eu fico sabendo por um deles que eles se encontram, se adoraram, e agora simplesmente são BFF. E claro, que sempre falam do assunto preferido deles: EU. Vocês acreditam que até sobre os meus “golpes sexuais” (que nem golpes são: eu JURO que eu esqueci a chave do meu quarto nas noites em que eu sai com cada um deles!) os dois comentaram?!

Eu fiquei meio com vergonha. Ah, tá, eu sei, eu dormi com metade de Hamburgo mesmo (numa das minhas últimas nights por lá fui para um bar friendly com um amigo/ex-peguete. Chegando lá, surprise: aniversário de um outro ex-peguete! E um dos amigos dele também tinha sido um ex-peguete! E nessa noite acabei jogando charme com um outro cara que acabou se tornando o meu último peguete em terras hamburguesas! Juro, naquela noite eu constatei: ou eu saía de Hamburgo ou eu ia logo ficar sem gente nova pra pegar). Mas poxa, é demais pedir para ter uma vida piranhal privada? Hein?!

(Bem, eles ainda falam que me adoram, que estão morrendo de saudades e que eu faço uma falta danada da vida deles (adoro elogio assim. Tô carente, estressado e sem H&M). Eu também adoro eles. Legal ver que coisas legais sairam de Hamburgo. Eu sei, meloso. Eu tenho esse lado meio "episódio do Chaves de Acapulco").

P.S.- E o meu Facebook tá quase uma novela do Manoel Carlos: amigo do meu namorado francês me adiciona no Facebook. Abro o perfil e voilá: além de ser amigo do meu namorado, o cara é amigo de outro francês que eu cansei de pegar ainda em terras cariocas. #tenso Preparando o meu discurso "Sim, eu fui cortesã, mas hoje eu sou NOBRE, tá?".

9 comentários:

Daniel disse...

“Quanta merda na Galeria Café eu tive que pegar para chegar a ISSO, hein...”
hahahahahah!!! rindo litros!

Essa quilometragem toda me lembra a mim mesmo... só que aqui no Rio.

dudufs disse...

arram cláudia, senta lá!

Anônimo disse...

Leleco_RJ: Dario um livro esses seus episódios. Amei! Me indentifiquei com tantas coisas que contou. Digamos que vc mostrou o que o brasileiro tem para os Europeus. Bjuuu

Fernando disse...

Daniel: Digamos que certa quilometragem no Rio eu também tenho. :D Só sou mais esporádico em minhas incursões...

dudufs: Meaning?

tommie disse...

Sua fast food preferida é Hamburgo, pelo visto.

Fernando disse...

Leleco: Ô, e como... Praticamente a embaixatriz das culturas GLS cariocas em Hamburgo :D

tommie: Não, prefiro um salsichão grandão mesmo. E com bastante molho de mostarde alemã. :D

Rafa disse...

Meu sonho é este passar da piranhagem em terras tupiniquins para uma escala global! rs.. Bj

Lobo Cinzento disse...

Gente, que inveja!

Não consigo essa devassidão toda! Acho que se a coisa chega a esse nível comigo, eu morro de vergonha cada vez que encontrar um ex-peguete! Hahaha.

Beijos Fernando!

dudufs disse...

Ahh! Te liberta dessa história de deixar de ser cortesã. Vc não é assim tão católico.

:p