terça-feira, 6 de julho de 2010

Universidade

Ah, a vida de estudante! Estudantes: já perceberam que quem se formou parece fica só com as imagens positivas dessa época? As festinhas, os joguinhos de baralho naquelas santas aulas que o professor providencialmente resolveu faltar (e claro, você ao invés de seguir o exemplo dos seus amigos nerd que usam o tempo para estudar, fica vagabundeando com os seus amigos vagabundos), as viagens para congressos organizadas pelo grêmio estudantil (que basicamente servem para você ficar bêbado 24h e ir para todas as festas – MENOS frequentar as chatérrimas palestras). E essas criaturas que já estão do outro lado da mítica “Cerimônia de Colação de Grau” esquecem de todos os momentos gostosos da formação acadêmica que todo mundo passa: professor passou na segunda um trabalho para quarta valendo metade de sua nota que consiste em ler 350 páginas (e descobrir só na página 348 que o trabalho é exatamente... reproduzir somente a página 348), três provas uma atrás da outra no mesmo dia (ou o supra-sumo da crueldade: três provas em três dias consecutivos – no último dia você já tá um bagaço, seu sistema já se tornou imune à Redbull + Coca-Cola + Café e claro, o seu chefe no estágio resolve marcar uma reunião importantíssima justamente nesse terceiro dia, na qual você vai ter que falar 20 minutos sobre um novo projeto mega importante), ou gastar pequenas fortunas em xerox que depois do semestre terminado só servirão para fazer fogueira na próxima festa junina. Ah, como a faculdade é uma delícia!
E claro, todos esses estresses seriam completamente resolvidos se você tivesse seguido o exemplo dos seus amigos CDF e sentado o rabo para estudar pelo menos uma hora por dia todo dia. Mas estudante universitário gosta de emoção. E só lembra disso uma semana antes da prova, onde tudo o que resta é estudar 100% do tempo para as provas que virão.

E para vocês, criaturas formadas, aqui vai um pequeno diário do meu dia. Para que vocês lembrem, mesmo quando estejam tristes, de que vocês são felizes. Vocês já conseguiram a porra do canudo!

Metas de curtíssimo prazo

- Resumir pelo menos um dos OITO capítulos (igual a 98 páginas) do interessantíssimo livro Gestão Internacional que eu tenho que entregar até o dia 14
- Fazer um dos 59 exercícios de Estatística (que claro, levam 2 horas cada um para serem feitos)
- Ler 8 textos de História do Pensamento Econômico (que é aquele tipo de matéria em que você leva 3 horas para finalmente entender aquele esquema que a porra do autor poderia ter explicado em 2 linhas se ele tivesse tido o insight que as leriam a merda do texto que eles escreveu)
- Ler uns 4 textos de Economia do Setor Público (aquela matéria fácil, na qual você já tirou algumas notas boas, mas que poxa... já que tô bem, porque não me dedicar mais um pouco e tentar levantar o meu coeficiente de rendimento do lixo, néam?)
- Começar a escrever o primeiro capítulo da monografia
- Manter os meus 24 leitores chatos, exigentes e reclamões entretidos com histórias interessantes (e não falar de temas polêmicos, claro, porque com esse estresse todo a minha auto-estima tá no chão e eu não tô podendo de escutar crítica)

E o lindo relato do meu dia:

10h – Acordei. Levantei. Entrei na Internet. O mundo ainda tá de pé. Faço a ronda nos blogs. Merda: ninguém postou nada novo. Vou ter que realmente levantar da cadeira e batalhar para a vida.
10.10h – Faço chá com leite e sento na frente da TV para me distrair um pouquinho, só 10 minutinhos.
10.15h – Gente, o Manhã Maior tá TAO interessante (quando você tem muita coisa para fazer, até Malhação fica incrivelmente interessante). E cara, eu adoro a Daniela Albuquerque. Ela veio de baixo, fala com sotaque do interiorzão, mas venceu na vida. Casou com o dono da emissora (onde será que ela conheceu ele, néam? Na livraria Cultura?), deu uma mega garibada no visual e fica apresentando todos os programas da TV com vestido de rykah. E ainda demitiu a biscate da “Fala comigo cachorrinho, FALA COMIGO!” da Luísa Mell por algum dia ter dado uns pegas no marido dela. Ela que é inteligente.
10.16h – Hmmm... O sofá tá tão quentinho...
13.15h – Puta que pariu! Dormi no sofá! Ah, mas já são 13h, é horário de almoço. Não dá pra começar a estudar antes de almoçar, néam? E se a fome bater? Não, melhor almoçar agora...
14.30h – Depois de queimar o arroz que mamãe já tinha feito (claro, pra economizar tempo, resolvi tomar banho enquanto o arroz esquentava. Eu sou um Einstein mesmo...), ter que fazer mais arroz novo, almoçar, fazer um breakzinho para digerir um pouco (assistindo aquele primor de jornalismo lugar-comum que é o Jornal Hoje!), hora de estudar!
14.35h – Ah, mas o meu material de estudo tá desorganizado demais! Melhor organizar tudo antes de estudar, néam? Não dá para estudar com tudo desorganizado...
15h – Nossa, e eu tinha ainda mais um cigarro no maço de cigarro que eu tinha perdido na mochila... Hmmm... Mas perae: eu tinha parado de fumar semana passada. Droga. :(
15.15h – Ok, vamos sentar o rabo para estudar (Hmm... Mas aquele cigarro na mochila...)
15.30h – Peraê, que barulho é esse na TV do vizinho? Ainda tá rolando a Copa? Ah, não dá para não assistir jogo da Copa! É só de 4 em 4 anos (tirando que tem uruguaios, holandeses, muitos coxões e aquele maravilha de câmera slow motion que mostra só a bola e os coxões dos jogadores se contraindo... É bom demais!)
15.31h – Ah, se eu levar o texto para estudar enquanto assisto o jogo, super dá pra estudar junto, néam?!
15.45h – Eu odeio o Walras. E amo o Forlán.
16.15h – Desisti. Entender o que é Walras sem chá é demais pra minha cabeça.
16.25h – Chá pronto. Hmmm, mas um chá e um Lucky Strike seria perfeitos agora...
16.26h – Não posso. Não posso.
16.28h – Mas um só.. não! Não posso, não posso!
16.29h – Eu odeio Walras. Eu odeio Economia.
16.30h – Ah, quer saber? FODA-SE.
16.31h - Chá + Lucky Striker Silver. Definição do paraíso momenâneo. Como a felicidade pode existir nas coisas simples da vida, néam?
16.45h – Ui, o jogo tá bão.
17.32h – O jogo terminou. E porra, já são 17.30h?! E eu ainda tenho que ler Walras!!! :(

(Isso é para avisar que nas próximas semanas Fernando estará tentando salvar seu semestre, e os posts estarão um pouco mais esporádicos, tá? :D)

7 comentários:

Daniel disse...

Tirando o cigarro, você descreveu perfeitamente a minha rotina entre 1999.1 e 2003.2 (que só acabou pra lá de maio de 2004, né UFRJ com greve?).

Hugo B. disse...

Saudades de virar a noite comendo pão com mortadela e coca-cola com os colegas na véspera da prova de calculo, ou dos debates na churrascaria após as provas de direito qdo todo mundo descobria que havia dado uma resposta diferente para a mesma questão e achava que estava fudido.

Fernando L disse...

1° Ainda bem que faço licenciatura em dança
2° Ainda bem que faço dança na Bahia (antes de ser atacado dizendo que baiano é preguiçoso.... o nosso semestre dura 4 meses e acabou no São João(?) e no curso de dança não há provas, sua avaliação é processual, e não, nossas aulas não são só dançar, dançar e dançar [quem dera que fosse])
3° Ainda bem que consigo enrolar meus professores

Mesmo com todos essas vantagens, não levarei muitas lembranças positivas da facul. Fato, hehe

Abraços e boa sorte no fim de semestre

Anônimo disse...

Adorei o post...me fez lembrar da epoca da facu de ADM..só que eu era da turmas dos nerds, ai rolava um stress menor..hehehe. Uma pergunta: com tanta coisa pra estudar, ler, resumir como você consegue escrever posts tão longos? rs. Bjus. Fabio S.J.Campos/SP.

Lucas T. disse...

Hahhahhaah me trouxe memórias ótimas da facul...fazem só 3 anos que eu me formei e já morro de saudade. Era luuuusho!

Fernando disse...

Daniel: O Instituto de Economia não entra em greve, tsá? :D

Hugo B: Eu chamo esse tipo de prova (onde todo mundo descobre que deu uma resposta diferente) de "Roleta Russa": qualquer merda que você escrever pode ou não pode colar. Mas na boa, depois de prova? Fico longe do pessoal discutindo questão! E perto do pessoal enchendo a cara no bar da faculdade, tentando superar a bad da prova. :D

Fernando L: Pergunta seríssima: vocês tem algum módulo de axé no curso de vocês?

Anonimo: Sem ofensas (para o povo não-economista/não-adm: existe uma pequena richa entre a gente), mas ONDE que rola stress no curso de Adm?! Pelo menos lá na faculdade, o povo de Adm leva super nas coxas, passa com notão, professor passando trabalhinho e nem cobrando presença. RÁ que isso acontece na Economia!

E sobre os posts longos, mania de economista de querer explicar tudo em MUITAS linhas. Já tentei mudar, achei que os posts ficaram uma bosta, e resolvi deixar rolar. :D

Lucas: Acho que o objetivo do post acabou saindo exatamente o contrário do que eu imaginava, mas tá bom... hehehe

Gatim disse...

Pensei que estudava na fundação. Mas é UFRJ... massa.