sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Carnaval.

Dois pensamentos: #1 A Bismarchi seria parente... do Bismarck?; #2 Os peitos dela não tão olhando para direções opostas?!
Primeirão de tudo - paulistas, paulistanos, whatever: não leiam o post que eu irei escrever agora. Sei lá, vão dar uma volta no Jardim Cidade Mall (atóooro a propaganda fake da SJP no Cidade Jardim, do tipo "Claro! Vou me enfiar num avião para a América do Sul, enfrentar processo de visto para o Brasil para comprar roupas de coleções passadas pelo triplo do preço que poderia pagar na esquina da minha casa. Genial, néam?!"), passear por um parque e se for no Trianon, por que não fazer la pegación básica, ir comer num bom restaurante com um bom atendimento, porque no Rio nem se voce prometer um kéti para o garçom você consegue receber um servicinho razoável.

Why? Porque eu falarei a coisa que todo carioca é praticamente proibido de falar em um grupo de não-cariocas. Que contraria o mais forte dos clichês construídos sobre os habitantes dessa querida região fluminense. Que vai contra tudo o que essa cidade tem de mais... carioca.

Eu sou um carioca que acha Carnaval um saco.

Uma heresia, eu sei. Mas eu tenho motivos! Que motivos?

Felicidade geral da nação: Tem coisa mais chata que um bando de gente feliz, imbuído nesse clima de "Vamos curtir, galeeeeeeeeeeeraaaaa!". Tem sim: gente que vê um sentido poético-filosófico-social no Carnaval, no estilo Vinícius de Moraes meets Elias Canetti. Tipo de coisa que com certeza se vê no Bom dia Brasil de segunda-feira de Carnaval, com o Renato Machado dando a sua pedrobialzada do dia, e que aquele seu amigo proto-intelectual vai repetir em alguma conversa barata de boteco depois de algum bloco.

Programas de índio elevados a categoria de "coisa mais legal do mundo": Isso sendo, bloco de carnaval. Ah, vamos combinar: 4 horas cantarolando aquelas musiquinhas imbecis, enfiando cerveja quente goela abaixo, cercado de 250674095 pessoas suadas (e barangas, CLARO. Já perceberam que homem gostoso não sua, mas somente fica umidificado? E nunca um desses gostosões é aquele cara que vai passar se esfregando todo em você, mas um gordão+peludo+mala que vai achar que isso foi a coisa mais sexy que você já viveu na vida?), bêbadas e imbuídas daquele espírito de filho-da-puta meio "AAAAAAH, TO LOOOOCA!", tudo isso num calor mais filho da puta ainda, subindo e descendo ladeira (porque bloco legal no Rio TEM que ser naquelas malditas ruas de parelelepípedos, no qual você corre o risco permanente de torcer o pé, bater com a cabeça no chão e ser engolido pela multidão cantarolando a marchinha). Quando fora do Carnaval voce se meteria numa merda dessa? Se você respondeu "Micareta": Queridaum, tá lendo esse blog para que?!

Bahia. All about it. Durante o Carnaval: Primeiro, antes de tudo, deixemos claro: eu adoro Salvador. Acho a Bahia um lugar incrível para passar as férias e recomendo para todo amigo gringo uma parada obrigatória nesse maravilhoso estado. Mas Bahia durante o Carnaval é insuportável demais. Tem sempre o tal de "novo ritmo que vai invadir as ruas do país" (esse tal de "Rebolation" é algo tão... TÃO que me fez perceber como fomos injustos com Compadre Washington e É o Tchan e não percebemos todo o lirismo e sofisticação de letra que as músicas deles tinham!) que toca junto com os clássicos dos vinte carnavais passados: todos no estilinho "dancinha de foquinha amestrada" (esquerda, direita, cima, baixo). Olodum e Timbalada (seriously... Qual é a diferença entre os dois, na boa? Alguém me explica, porque sério, nunca consegui captar?). Aquele bando de playboy classe média do Sudeste (visualiza comigo: correntinha de prata no pescoço, bandana amarrada no bracinho devidamente bombado e quase sempre um pênis do tamanho de um amendoim. Que somente fica meia-bomba, claro.) que junta grana por um ano para aloprar naqueles trios elétricos. Aliás, trios elétricos: Ivete Sangalo naquela egotrip insuportável de se achar A criatura mais foda do Universo (ODEIO aquele jeitinho "Sou gente como você"), Cláudia Leitte realmente achando que é fashion e hype e aqueles outros trocentos grupos e blocos que ninguém escuta nada sobre o ano inteiro. Sinceramente: se eu fosse de Salvador, me revoltaria ver a minha cidade transformada nesse hospício durante essa época do ano. Sacanágy.

Rio. All about it. Durante o Carnaval.: Nada funciona direito. O que funciona tá custando o triplo do preço (quádruplo se você tem olho claro/pele muito branca/usa uma echarpe achando que tá no verão europeu). Nenhum grupo de amigos fica completo porque sempre tem aquele no grupo que tem a idéia de ir para Ouro Preto (basicamente: ficar bebado 24h/dia, levar tombo em ladeira e ficar com um bando de caipira barango que você vai ficar ligando pra você durante os próximos 10 meses querendo te encontrar na próxima viagem dele pro Rio), Floripa (o novo hit-must-go do Brasil. Nunca fui, portanto não posso chochar. :D Mas deve ser bom, néam: catarinense é um povo com potencial...) ou acampar em algum lugar sem noção do estado do Rio (ler esse post). Circular entre lugares próximos, tipo Leblon e Copacabana, se torna praticamente uma atividade impossível: ou você entra no clima dos blocos, ou certeza de ficar 3 horas num ônibus, com o motorista com cara de puto, um bando de folião batendo como uns loucos nas janelas e portas e aquele calor infernal dentro do ônibus. Ou seja: tudo aquilo que você adora no Rio se transforma em algo completamente diferente, irritante e "carnavalesco" durante essa época. Um saco.

Desfile das Escolas de Samba: Acho legal o lado social da coisa, o lado de que "a festa mais importante do país é construída pela classe mais oprimida e marginalizada das terras tupiniquins" (los favelados), a movimentação gringo-financeiro-economica que o evento gera para a cidade. Mas... eu tenho a impressão que todo ano é tudo igual. Uma hora da mesmíssima coisa, over and over. Sempre tem alguma escola trazendo um enredo no estilo "Amazônia e suas lendas", o que inevitavelmente significa todos aqueles irritantes clichês do Brasil (onça, lobo-guará, tucano e semelhantes) sendo desfilados na Sapucaí durante uma hora, quase sempre sendo coroado com o carro de uma biscate desconhecida tomando banho seminua em uma mini-fonte representando muito mal uma cachoeira e recebendo o poético nome de "Índia representando a comunhão entre natureza e o homem" que deveria se chamar "Índia piranha tentando ver se descola algum homem branco, índio ou tatu para dar umazinha". Sempre aquele bando de samba-enredo chato para caralho, falando das "Fantasias e surpresas ao descobrir o esplendor encantado", independente se o tema é sobre "Kama Sutra", "Influências do Butão na cultura brasileira" ou José Bonifácio. Sempre aqueles comentários chatérrimos dos comentaristas da Globo, tentando MESMO dar algum significado a piração artística e maluca dos carnavalescos (quando vejo aquelas fantasias tipo prato-colado-no-topo-da-cabeça juro que imagino um carnavelsco bee pintosérrima num barracão em Madureira tentando imaginar as mais diferentes e filhas-da-puta formas de sacanear um folião ao criar as fantasias mais sem noção, quentes e não-práticas do MUNDO. Isso tudo com explicações do tipo "Essa vai ser... a representação do furor sexual de Afrodite ao chegar nas favelas cariocas!"). E como se não bastasse o Rio... vem São Paulo e me inventa os desfiles de SP: um bando de mulata paulistana com sotaque italianão sambando meio estranho e aquelas escolas de samba com nomes muito parecidos (mas não iguais!) aos das cariocas.

26 comentários:

Daniel disse...

Fecha na Prochaska.

Anônimo disse...

Adorei esse post! Ainda bem que fez a ressalva que gosta de Salvador, já ia ficar magoado,rsrsrs! Quanto ao fato da cidade se transformar durante o carnaval, você descreveu muito bem. Só que tem aquela coisa da tal alegria contagiante(?!)que faz com que todos entrem no clima.
Algo me diz que Fernandinho, o fofo, já andou pulando atrás do trio elétrico, caso contrário não conseguiria fazer uma crônica tão perfeita do carnaval soterapolitano.

Beijos cheios de axé!

Carol disse...

Nossa, descreveu perfeitamente tudo q eu nunca consegui descrever quando me perguntavam porquê não suporto carnaval! Assim q perguntarem de novo eu mando o link desse post pra descobrirem! ; ) rs
Beijão

J disse...

Hahaha seu blog é absurdamente bom, vc tem o dom. Me esbaldando nos arquivos!

E Carnaval pra mim é só um fds extendido (ou seja: ficar trancado na casa do meu namorado jogando videogame, comendo doce e trepando), por mim está ótimo! Só podia fazer frio por que a casa dele é mto quente.

Meu COO com vodka disse...

Amore! Paulista'no gay não vai ao Rio por causa do CARNAVAL (samba-mulata-sapucai-bloco-de-rua), pelo-amor-de-dadá!!! Essa ficha não caiu ainda?

O que tira um paulistano da Paulicéia é o que ele já tem o ano inteiro, festas/fartura-de-homem, o resto, são só datas, feriados no matter where or when...

"Floripa (o novo hit-must-go do Brasil...", novo AONDE? Pelo-amor-de-dadá-again!!! Frequento a ilha desde 1999 e em 2001 já estava pra la de batido. Estamos em 2010?

Carioca mesmo (os endinheirados ao menos) não ficam no Rio durante o carnaval, falo com autoridade porque sou filho de.

Lado social nos desfiles das escolas de samba? Desde quando? Lavagem de dinheiro do narcotrafico e jogo do bicho virou ação social? Pão e circo impera!

Desfiles de escola de samba em São Paulo, concordo, too much!, porém mais uma vez, lavagem de dinheiro dá nisso.

Bahia, detesto, mas eles adoram! Soteropolitano não quer outra coisa, fazer o que? Respeitar!

Pagar o quadruplo de qualquer mezzo-serviço prestado na cidade mais hospitaleira do mundo (afinal de contas mandam todo mundo pro hospital) por usar echarpe achando que esta no verão europeu, esta pagando a mais pelo mico! Andar de sunga no primeiro dia do ano em Liechtenstein causa o mesmo efeito. Falta de bom senso dá nisso, não se conformar com as origens mais ainda, não poder mudar essa realidade então! Haja saudosismo.

Last but not least... H&M? Hã? Oi? Ui! Vestir fast-fashion sueco e comer bigmac pensando que esta saboreando um prato de Ferran Adriá é um equivoco igual! Quem veste Gucci, Prada, Hermes, Dunhill, Dolce & Gabbana, Tom Ford, Salvatore nao comete tamanho pecado.

Anyway, sempre te li, sempre te amei, mas voce anda derrapando desde que voltou. O Rio de Janeiro continua lindo, o Rio de Janeiro, fevereiro e março. Se não gosta de carnaval, faça como eu, venha pra Punta, é perto, barato e bem basico.

Beijo fraterno!

Lucas disse...

E Recife/Olinda?

Olha, do que vc falou concordo pouco, mas é apenas a minha opinião!
Penso q o carnaval n é para qlqr um e nao é para vida toda (se vc n ganha dinheiro com isso), é apenas um grande feriadao daí vc faz o q quiser, opçâo n falta. Vamos usar a imaginação, neh?!!

Adoro os blocos do rio, mas odeio a sapucaí, logo, passo longe... Carnaval em SP n imagino como seria nem quero! Floripa é ótima, mas para mim o melhor é Recife, AMO! Salvador é bem legal se vc tah com uma galera afim daquilo!

Ah! E os Soteropolitanos, em geral, nao participam da festa momesca, fogem da cidade, mas te garanto, se orgulham do seu carnaval, dos seus artistas e do famigerado AXÉ.E sim quem faz o carnaval de SSA sao os turistassss e claro a galera q trabalha na festa!!!

Mauricio disse...

Ufa, aqui estou. Fazendo meu primeiro commentário depois de ler TODOS os posts do blog. Todos muito bons e cativantes por sinal.

Usualmente eu não comento nos blogs porque nunca vejo necessidade, mas depois de ler tanto e ter gostado mais ainda, resolvi dizer algo né. Afinal elogios e incentivos não fazem mal a ninguém.

Adorei.

Diego disse...

Gente, 11 de cada 10 blogueiros que eu li não gostam de Carnaval. Coisa curiosa!

Viradouro na avenida falando sobre México. Muita Frida Kahlo, muita Nossa Senhora de Guadalupe, uma mistureba só.

Queria ver Karen Walker no Sambódromo, fico imaginando...

Diego disse...

Ih, gente! Entrei com a conta errada, o comentário aí de cima é meu.

A Esposa disse...

Você já passou algum carnaval na Bahia?
pergunto isso pq eu pensava como você, até ir arrastada pra lá...

Aí, mudei de opinião...

bjo

Don Diego De La Vega disse...

Eu te disse q não poderia concordar mais com vc nessa descrição do carnaval.
Tanto q recomendei esse seu post lá no meu blog, agora q escrevi sobre o tema. ;)
beijos!

Daniel disse...

Tenho um pensamento parecido com o seu sobre carnaval, por isso me tranco no sítio nessa época do ano, mas vou te contar um segredinho: nós, paulistanos, só vamos ao Cidade Jardim para nos encontrar e beliscar alguma coisa. Quem sustenta todas aquelas lojas mesmo são os cariocas que vem aqui comprar os modelitos que nós desfilamos no Rio no verão passado.

Fernando disse...

@Anonimo#1: Ha Já corri atrás do trio elétrico em Salvador AND Fortaleza (parte integrante de um pacote de festas de congresso - LEGAL, néam?).

Salvador é linda sempre. Mas durante o carnaval... no way.

Fernando disse...

@Meu COO com vodka (btw, AMEI o nick - imaginando um AD da Absolut com o Francois Sagat deitado de brucos na cama, com uma garrafa no meio da bunda e embaixo escrito "Fancy for a shot?". Leao de Cannes pra mim DJÁ!):

Lieber, voce se esmerou tanto, mas tanto no comentário que seria uma falta de educacao minha nao dar uma resposta mais elaborada.

Mas sinceramente, pensando no que eu poderia te responder, só consegui pensar nisso:

#1:
Ironia
(latim ironia, -ae, do grego eironeía, -as, dissimulação, ignorância)
s. f.
1. Expressão ou gesto que dá a entender, em determinado contexto, o contrário ou algo diferente do que significa.
2. Atitude de quem usa expressões ou gestos irónicos.
3. Sarcasmo.
4. Acontecimento ou resultado totalmente diferente do que eram as expectativas (ex.: ironia trágica).

#2: Esse é um blog de ironia.

Nao leve tao ao pé da letra as coisas que eu escrevo aqui, amore. Espero mesmo que voce continue lendo e comentando o blog: gosto de gente que pensa diferente e deixa claro isso. Leva a reflexao, a discussao, e daí sempre sai alguma coisa.

Bjos

Fernando disse...

@Lucas: E sabe que eu sou filho de recifenses, e nem me meti a falar de Recife/Olinda?!

Concordo sobre os soteropolitanos. Acho que ninguém que mora em cidade turistica tem saco de enfrentar todos os lugares que conhece lotados por turistas - o que é legal, claro... mas sempre enche o saco um pouco.

Fernando disse...

@A Esposa: Querida (voce é mulher meeeeesmo?), eu sou dá filosofia "Se o estupro é inevitável, abre as pernas, relaxa e goza". Estando lá... acho que curtiria horrores.

BUT, gastar aos tubos para me enfiar naquela muvuca, sem ao menos dar tempo de ver todas as coisas super legais de Salvador? Ah... melhor nao.

Fernando disse...

@Daniel: A citacao ao CJ foi mesmo pela ironia da coisa. Com tantos lugares incríveis em SP, acho que um paulistano inteligente pensaria em outras alternativas antes de se enfiar naquele shopping, néam?

E sobre cariocas+Cidade Jardim... cara, como eu brinco, esse é um blog SP friendly. E acho o que se veste nas duas cidades taaaaaao diferente... Exemplo? Dá uma olhada na vitrine da Osklen do Rio e em SP.

Fernando disse...

@Carol, J, Maurício, Diego & Don Diego (mesmo nome? Coincidencia, hein?!): Obrigado. Obrigado. Obrigado. E Obrigado. :D

Will Moritz disse...

Amigo, em primeiro lugar, estes dois meses de viagens exóticas pra onde pouca gente vai na América Latina com certeza me deixaram pra lá de desatualizado no seu mundo bloguístico. Talvez isto seja bom porque vou ter muito pra ler nos momentos de estresse entre um parágrafo FDP e outro VTNC dos meus trabalhos. Em segundo lugar, minhas previsões estavam certas, seu blog é um sucesso e achei interessante a forma como iniciou e conectou esta nova fase. Abraços com saudades.

Fernanda disse...

oi Fernando!

Faz tempo que não comento mas sempre passo por aqui, então hoje resolvi deixar um oizinho.

Adoro a forma como você escreve e o que você escreve.

beijos!

Leonardo disse...

Hahhahahhaa

Fiquei com medo de vc agora agora Fernando...

Tem mais veneno sobrando ou foi todo destilado nessas linhas? hahahahauhah ADOREI esse post!

Leonardo disse...

...E eu acho a propaganda da Sarah Jessica Parker a coisa mais cafonaqueeuAMOever!

Pena que não é mais exibido... achei muito sagaz (not!) a edição de vídeo usada nele, dando a impressão que ela venho mesmo pra cá gravar o comercial. Looshoo! E tem gente que acredita.

Mas esse shopping foi feito realmente com o intuito de segregar a pobraiada (eu incluso nisso, tá? hahahhaauahah)... tanto que não se passa NENHUMA linha de onibus na frente dele. É tipo total contra mão pros pãos com ovo.

Leonardo disse...

"pãos com ovo"??

geez!

PÃES com ovo. ;D

Fernando disse...

@Will: Cara... parece que faz milenios que nao nos encontramos, né? Tempo passa tao tao tao rápido... Saudades, amigo.

Fernando disse...

@Fernanda: Brigado! :D

Fernando disse...

@Leo: Acho terceiro mundo demais desalojar favela para construir condomínio de luxo nesse estilo. Nao por ser SP (please, paulistanos): a Barra no Rio é outro exemplo monumental das besteiras desse nouveaurichisme tao "país em desenvolvimento"...