domingo, 29 de novembro de 2009

Das Beginnen des Endes


Falta de posts devido a programacao intensa do final de semana. Fazendo toda a mudanca de volta para a casa do meu amigo alemao, me despedindo dos meus amigos hamburgueses antes do meu tour pela Europa, saindo com os amigos pela cidade, e aproveitando a cidade enquanto posso.

E agora, olhando para o meu quarto semi-vazio (que parece ter sido atingido por um furacão F5), eu compreendi de forma clara o que está acontecendo. A minha viagem está terminando. :( Sim, eu sei que eu tenho muito da Europa pela frente... mas me restam somente 8 dias de Hamburgo pela frente, entre idas e chegadas de viagens. 8 dias. 8 dias para me despedir dessa cidade cinza, fria e escura que eu aprendi a amar, que eu conheci tao bem, na qual eu fui tao incrivelmente feliz, e tao incrivelmente triste. O primeiro lugar do mundo fora do Brasil que eu conheci. E eu que pensava que teria ainda muito tempo pela frente para conhecer ainda mais. E agora, só 8 dias em Hamburgo, e depois, casa de novo.

Quando eu cheguei nesse quarto, em Agosto, eu lembro que a primeira coisa que eu fiz assim que entrei foi deitar na cama, olhar para o teto e pensar "Que porra eu estou fazendo aqui?". Eu tinha acabado de chegar de Londres, todo o furacao que me desvastou ao final da história com o FDP germanico tinha acabado de passar, todos os meus amigos do Erasmus do semestre de verao tinham ido embora para as suas casas, e eu estava sozinho. Sem amigos, num apartamento completamente novo e estranho, completamente fudido emocionalmente e sem nenhum amigo por perto para pedir ajuda. E eu nunca odiei tanto estar em Hamburgo.

Mas aí eu conheci novos amigos. E comecei a jogar volleyball toda quarta e conheci novas pessoas. E os meus amigos alemaes comecaram a se tornar ainda mais próximos. E os amigos do trabalho comecaram a me chamar para almocar junto, e para ir fazer churrasco na beira do Alster aos domingos (eu odeio churrasco). E eu fui. Puxei papo com pessoas que nao conhecia. Sorri muitas vezes quando nao queria sorrir - mas tinha que ser simpático. Fui a muitos programas de índio. Mas com o tempo, os sorrisos começaram a ser mais sinceros. E vontade de estar com essas pessoas ainda mais genuína. Até o ponto que eu percebi que tinha feito novos amigos. E que Hamburgo tinha se tornado mais uma vez a minha casa.

E eu, de alguma forma boba, achei que eu teria para sempre essa cidade, essa vida. Os metros e onibus chegando pontualmente na hora marcada na tabela de horários. Os parques e o lago Alster. Jungfernstieg, as lojas de departamento e vista mais linda da cidade (foto que está no papel de parede desse blog). As noites na Reeperbahn. E os amigos. Os amigos...

Enfim, as malas esperam por mim, o quarto ainda precisa ser limpo e pintado (merda, merda, merda). The show must go on. Amanha ainda tenho o último dia do estágio, arrumar malas para o European Tour, comecar a empacotar o que eu nao levarei nas malas para o Brasil.

E eu nao quero terminar esse post com um sentimento triste. Apesar de ser dificil para caralho, a gente nao tem que chorar pelo que passou, mas festejar a vida que está por vir. Saudades... eu já estou sentindo. :D Sangue tuga é uma merda (nostalgia e pelos demais, senso prático e racionalidade de menos hehehe). Mas, vamos dando um jeito. E seguindo em frente.

9 comentários:

Daniel disse...

noite de domingo + kite = cortando os pulsos

Fernando disse...

@Daniel: Queima-filme total, mas chorei HORRORES na hora em que vi o quarto vazio. :D

Era ruim mas era bom, sabe? Vidinha tranquila, party everyday, reclamando do tempo na Alemanha, encontrando os meus amigos alemaes. E agora, tudo se indo. Estranho, muito estranho...

Anônimo disse...

nooooossa, lendo esse post deu um aperto no coração...
eu temo que o pior ainda está por vir meu caro!
os primeiros dias aqui no Brasil serão os piores quando vc chegar, pois ficará muito claro q neste pais tudo é de mentirinha, improvisado e escroto...
"Só nos resta viver"
ótima semana,
Alex bEZ

Daniel disse...

Vou te deixar mais de bad ainda: vai pensando na vista das favelas e aquele céu azul de brigadeiro do verão carioca quando o avião se aproximar do Galeão. Sempre que eu volto do exterior, essa imagem me dá arrepios.

Don Diego De La Vega disse...

Vc não cogita ficar na Europa? Ou tá com uma saudade imensa do idioma português, do biscoito "Grobo", das mulatas do carnaval? ;)

Fernando disse...

@Alex: Eu acho que vai ser complicado pela adaptacao mesmo, cara... Mas o Brasil tem sim algumas das suas vantagens. O tempo realmente me faz um falta incrível. Falar portugues também.

Fernando disse...

@Daniel: Vou te dar uma visao ainda pior do pesadelo que eu vou enfrentar: o meu ticket é Swissair Zurique-SP. Ou seja: é pegar uma fortuna em excesso de bagagem na ponte aérea, deixar maior parte das coisas aqui na Europa (o que nao vou fazer nem fudendo: nem com ameaca de mutilacao genital me separo do meu trench coat) ou... busao Rio X SP. Dilica, hein. Visao de Caxias chegando na Dutra, melhor readaptacao impossível.

Fernando disse...

@DonDiego: No way. Dever me chama: terminar a faculdade. Se eu ficasse aqui, teria que comecar tudo do zero, entao é mais inteligente tentar um mestrado mesmo por aqui mais tarde.

Hmm, Biscoito Globo, taí algo que eu acho que nao existe MESMO por aqui...

Fernando disse...

@Todos: Porra pessoal, que clima baixo astral é esse para a minha chegada do Rio, hein? Eu quero todo mundo falando que tá na praia, tostando no sol comendo um biscoito Globo com mate leao (com um pouquinho de limonada), super curtindo o verao.

Preciso disso para nao me matar na volta. Me ajudem, porra! :D